Página Inicial | SEXTA-FEIRA, 16 DE NOVEMBRO DE 2018
Postada por: Jr Lopes dia 02/11/2018
Câncer de próstata mata 14 homens por mês em Mato Grosso do Sul
Compartilhar Notícia
Foto: Divulgação


De janeiro até o fim de outubro deste ano, 147 morreram por câncer de próstata em Mato Grosso do Sul, uma média de 14,7 homens vítima da doença a cada mês. Além disso, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Urologia do Estado (SBU/MS), a maior parte dos homens com mais de 45 anos, considerada a faixa etária de risco, nunca passou por consulta com urologista. Com objetivo de conscientizar sobre a saúde do homem e a prevenção do câncer de próstata, será lançada, na segunda-feira (05/11), a Campanha Novembro Azul.

 

Conforme o Governo do Estado, a solenidade de abertura da campanha será no saguão da Secretaria Estadual de Saúde (SES), às 8h, e terá a presença do secretário de Saúde, Carlos Coimbra, e do coordenador de urologia da SES, médico Nelson Trad Filho.

 

O câncer de próstata é o segundo tumor que mais mata os homens no País. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), são estimados, por ano, cerca de 1,1 mil novos casos da doença em Mato Grosso do Sul para cada 100 mil habitantes.

 

No entanto, a doença tem cura e o diagnóstico precoce é importante para o tratamento.

 

A partir dos 45 anos todos os homens devem fazer os exames preventivos para detectar qualquer alteração na próstata. Os homens que já têm fatores de risco, como antecedentes de câncer de próstata ou de mama na família e homens da raça negra,  devem fazer os exames a partir dos 40 anos.

 

Tratamento

Quando o câncer é diagnosticado e está restrito ao órgão, o paciente recebe um tratamento curativo, que pode variar de acordo com a estratificação de risco, ou seja, se há baixo ou alto risco de progressão.

 

Entre os exames clínicos usados para detectar hiperplasia da próstata, prostatite (inflamação da glândula) e também o câncer, está o de sangue, um exame que avalia o nível de circulação do PSA (Prostate-Specific Antigens), antígeno específico da próstata.

 

Além do PSA, o toque retal é um exame clínico imprescindível para avaliar a sensibilidade, consistência e limites da próstata.


Fonte: Correio do Estado







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados