Página Inicial | QUINTA-FEIRA, 29 DE OUTUBRO DE 2020
Postada por: Jr Lopes dia 16/11/2009
Pesquisadores debatem em MS tratamento de dejetos na suinocultura
Compartilhar Notícia

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) reunirá nesta segunda-feira (16), em São Gabriel do Oeste, distante 140 quilômetros da Capital, pesquisadores e técnicos do setor agropecuário do país para debater o tratamento dos dejetos da suinocultura. Mato Grosso do Sul é um dos grandes produtores de carne suína do Brasil.


O seminário “Aproveitamento múltiplo da biodigestão na agroindústria e cidades” dará início no Estado a um projeto-piloto que analisará a eficiência do sistema de tratamento ambiental com biodigestores, as conseqüências do uso repetitivo da água que sobra para fertilizar as lavouras e o impacto desses dejetos sobre a água no lençol freático e nos rios da região.


A ideia é que, a partir do encontro, sejam definidas as estratégias e as diretrizes para tornar a biodigestão uma tecnologia amplamente divulgada e utilizada em todo o país. Segundo o pesquisador Ivan Bergier, da Embrapa Pantanal, a biodigestão reduz o impacto do efeito estufa, além de aumentar a sustentabilidade da agricultura brasileira e a geração de energia limpa e renovável.


Supervisor do programa no Ministério da Ciência e Tecnologia, Eduardo Soriano afirma que serão investidos cerca de R$ 3,5 milhões no desenvolvimento das ações. As articulações políticas em Brasília estão sendo conduzidas pelo deputado federal Waldemir Moka (PMDB).  “Os recursos necessários para desenvolver 100% do projeto estão garantidos”, informa Moka, que participará da abertura do encontro.


São Gabriel do Oeste foi escolhido para desenvolver a ideia por ser um dos maiores produtores de carne suína do Brasil. O município, segundo Soriano, vem buscando soluções inteligentes para tornar sustentável a cadeia  produtiva agropecuária. "É um prêmio a quem está encarando a questão ambiental com grande responsabilidade", acrescenta.


A região de São Gabriel do Oeste onde se desenvolve a suinocultura está situada sobre o Aquífero Guarani, o maior manancial de água doce subterrâneo do mundo. "A ideia do projeto é demonstrar para a sociedade que é possível criar suínos para produção em larga escala sem contaminar o solo", destaca o chefe da Embrapa Pantanal, José Aníbal Comastri Filho. "Essa programa irá chamar a atenção do mundo por conseguir unir, de forma responsável, aspectos econômicos e ambientais".


Participam também do projeto a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e a Universidade Católica Dom Bosco.


Fonte: Assessoria







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados