Página Inicial | QUINTA-FEIRA, 27 DE FEVEREIRO DE 2020
Postada por: Jr Lopes dia 25/08/2009
Justiça condena Maníaco da Cruz por um dos três assassinatos
Compartilhar Notícia
Jovem matava as pessoas e as deixava em posição de crucificação (Foto: Minamar Júnior/Arquivo)


A Justiça condenou o adolescente que ficou conhecido como “Maníaco da Cruz” pelo assassinato do pedreiro Catalino Cardena, 33 anos, ocorrido dia 24 de julho do ano passado, na cidade de Rio Brilhante. O jovem recebeu este apelido porque matava as pessoas e deixava em posição de crucificação.


A setença que condena o garoto, à época com 16 anos, foi proferida em junho e ele responde também pelas mortes da frentista Letícia das Neves, 22 anos, e da estudante Gleice Kelly da Silva, 13 anos, além de uma tentativa da qual a vítima conseguiu escapar. O caso corre em segredo de Justiça, portanto, não foi informado quantos anos o infrator permanecerá internado.


A frentista foi assassinada exatamente um mês depois do primeiro crime. Ela foi encontrada morta, estrangulada, sem roupas, no cemitério da cidade, em posição de cruz. No dia 7 de outubro, foi encontrada, em uma construção, a estudante, que foi esfaqueada e o corpo abandonado do mesmo jeito que as duas vítimas anteriores.


Está marcado para 1º de setembro a audiência em que os amigos do adolescente prestarão depoimento à Justiça. Segundo a investigação feita pela Polícia Civil, o maníaco contou a outros garotos que havia praticado os homicídios. O objetivo é apurar se os amigos contribuíram para os assassinatos.


O maníaco está internado na Unei (Unidade Educacional de Internação) de Ponta Porã, cidade distante 348 quilômetros de Campo Grande. Ele deverá participar da audiência. O MPE (Ministério Público Estadual) aponta ainda que o adolescente tentou matar e manteve em cárcere privado outras quatro pessoas, entre elas, uma adolescente de 17 anos.


Três dias após a morte da estudante Gleice Kelly da Silva, 13 anos, o adolescente foi apreendido e confessou os crimes. O maníaco declarou à Polícia e à imprensa que matou as três pessoas porque elas diziam acreditar em Deus mas não agiam conforme os ensinamentos divinos.


Fonte: Campo Grande News







Naviraí Diário | Todos os Direitos Reservados